Resistência à mudança é uma das justificações no mundo organizacional, muitas vezes, utilizada para fundamentar o insucesso de algumas estratégias com debilidades de conceção. Quando pensamos em inovação deve-se entender que a resistência à mudança pode ser um dos elementos chaves, que, se não for devidamente abordado, pode ter um papel desastroso em qualquer tipo de inovação que se procure implementar, seja ela incremental, disruptiva ou revolucionária.

A resistência à mudança tem de ser encarada numa perspetiva multidimensional, uma vez que esta é uma resposta natural quando se altera a área de conforto. Esta atitude envolve as dimensões cognitiva, afetiva e comportamental.

Alguns investigadores (1)(2) referem que o sucesso da mudança, em contexto organizacional, tem maior probabilidade de ocorrer onde existe um clima organizacional agradável. Nos seus estudos demonstraram que, quando há um clima organizacional agradável, existe uma maior preponderância, por parte dos colaboradores, em experimentar projetos de mudança. Neste âmbito, a postura de liderança também é considerada um fator determinante de sucesso, uma liderança com capacidade de ouvir os colaboradores e estar aberto às sugestões da equipa é de vital importância. O líder deve ser colaborativo.

Mudar atitudes, modos de trabalho e estruturas com elevada longevidade é uma tarefa que representa um grande desafio e uma grande complexidade. Qualquer que seja o programa ou projeto de mudança delineado por qualquer nível hierárquico da organização, seja ele ao nível estratégico, tático ou operacional, os principais líderes da organização desempenham um papel crucial na operacionalização da mudança, devendo, estes, ter sempre em mente três momentos:

1.º Fazer uma investigação sobre a dimensão da oportunidade e obter uma ideia clara sobre essa dimensão;

2.º – Encontrar ou adotar um modelo de como a mudança pode ser explorada. Por exemplo, através do modelo de 8 Passos de John Kotter ou o modelo VISAR de Gary Topchick;

3.º – Incentivar os restantes colaboradores com funções de gestão a fazerem o mesmo.

É parte integrante da responsabilidade da liderança ser um elemento catalisador na forma de:

— Comunicar a visão de forma clara e entendível pelos colaboradores;

— Informar e esclarecer quais os incentivos exclusivos que a mudança gerará para cada departamento ou função;

— Comunicar e promover o entendimento sobre as habilidades necessárias para a visão comunicada e, ainda, promover as ações necessárias para capacitar os colaboradores das competências desejáveis;

— Apresentar o planeamento detalhado das várias etapas a realizar no processo de mudança desejado.

O desenvolvimento dos processos de inovação dita a forma como as organizações se preparam para enfrentar o futuro e como estarão preparadas para vencer, sendo que a inovação se torna mais simples de acontecer quando existe:

— um elevado nível de confiança transversal à organização;

— um elevado nível de qualidade na comunicação interna;

— um pensamento integrativo, seja no modo lógico ou indutivo.

Estas ideias permitem-nos ver que, num processo de inovação, a mudança estará sempre presente. A posição do “fiel” na balança do sucesso depende sempre da capacidade de se utilizar o pensamento integrativo no seu modo indutivo, para que, com as perguntas apropriadas, seja possível identificar onde estão as zonas de tensão e reposicionar o centro de gravidade da organização. Esta é a base para promover um equilíbrio salutar e um ambiente em que todos estejam recetivos a aceitar novos desafios e a participar ativamente nos processos de inovação que venham a ser promovidos no seio organizacional, sendo este um dos fatores de sucesso e de diferenciação das organizações no mercado.

(1) – Menezes, I. G. & Gomes, A. C. P. (2010). Clima organizacional: uma revisão histórica do construto. Psicologia em Revista, 1, 158-179
(2) – Pirola-Merlo, A. & Mann, L. (2004). The relationship between individual creativity and team creativity: Aggregating across people and time. Journal of Organizational Behavior, 25, 235-257.

Leave a Comment

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Contact Us